Um dos tópicos que mais chamou a atenção nos últimos meses dentro do ecossistema cripto é o consumo de energia da mineração de criptomoedas, como Bitcoin. Na verdade, certamente conseguiu ver como o assunto ganhou as manchetes dos grandes mídia. Diante da enxurrada de notícias e comentários críticos sobre o consumo de energia do Bitcoin e de outras criptomoedas, muitos se questionam: o consumo de energia é realmente tão grave? O que está por trás das manchetes alarmistas?

Da Bit2Me, como parte da comunidade de cripto, queremos esclarecer as dúvidas e desvendar os mitos em torno desta questão.

Porque a mineração de criptomoedas consome tanta energia?

A mineração de criptomoedas é uma atividade que consome grandes quantidades de energia. A razão para isso é que para realizá-la é necessário contar com equipamentos computacionais muito potentes. Na verdade, quanto mais poderoso, maior será a sua probabilidade de lucrar e, portanto, maior será a sua necessidade de energia.

Regista-te grátis 👇

Introduza uma senha válida. 6-64 caracteres. Sem espaços.

Tem que aceitar os nossos termos e condições

Este modelo de trabalho é possível graças ao protocolo de consenso conhecido como Proof of Work ou Prova de Trabalho (PoW). Basicamente, este protocolo requer que existam certos nós que fazem um trabalho muito específico. Este trabalho é a criação dos blocos que farão parte da blockchain. Esses blocos são um pacote de informações básicas que permite incluir as transações realizadas na rede para que possam ser validadas e executadas.

O texto acima pode soar como “trabalho fácil”, mas nada está muito longe da realidade. Na verdade, criar um bloco requer muito poder computacional e isso é muito bom por um motivo poderoso: exigir muito poder computacional garante que as informações nos blocos não possam ser alteradas. Assim, pode ter certeza de que quanto mais poder computacional uma blockchain PoW tem, menos provável é que as informações nela possam ser manipuladas. Esta é uma medida de segurança muito poderosa, tanto que na Bitcoin (a rede mais poderosa) nunca foi possível manipular as informações que fazem parte da sua blockchain.

Energia, o grande problema das criptomoedas?Clica para Twetar

Mitos sobre a mineração de Bitcoin e o seu consumo de energia

Alcançar esse poder tem um custo. Primeiro, máquinas especializadas conhecidas como ASIC são necessárias para atingir esses níveis de cálculo computacional. Em segundo lugar, essas mesmas máquinas consomem muita energia elétrica. Isto gera um “efeito cascata”, no qual quanto mais energia conectamos à rede blockchain, mais energia elétrica usaremos. No entanto, também existem muitos fatores que afetam essa relação, e é aqui que começamos a demolir os mitos e FUD (do inglês, Fear, Uncertainty and Doubt, em português, medo, incerteza e dúvida) que foram criados sobre as criptomoedas e o seu consumo energético.

Mito #01: A mineração de criptomoedas é apenas uma atividade que desperdiça energia

O mito mais difundido para atacar a mineração de criptomoedas é que simplesmente desperdiça energia sem contribuir com mais nada. Isto, como pode ver, é completamente falso devido a vários pontos:

  1. A realização de uma atividade de mineração requer energia que deve ser paga. Isto traduz-se em lucros para a empresa de energia e para o governo através de impostos.
  2. Gera empregos, porque as suas infraestruturas não são mantidas de forma mágica e requerem pessoal especializado para instalação e manutenção.
  3. Gera um maior nível de atividade comercial, uma vez que os mineiros e quem mantém estas infra-estruturas geram lucros que lhes permitem consumir mais. Isto beneficia as empresas, aqueles que trabalham nessas empresas (porque os seus empregos dependem do consumo das pessoas) e os governos (novamente mais impostos).
  4. É criado um novo sistema económico no qual todos podem participar abertamente e que é seguro. Isto porque o trabalho dos mineiros é responsável por tornar este sistema praticamente invulnerável ao hack.

Portanto, chamar a mineração de criptomoedas de “apenas uma atividade para desperdiçar energia” é ignorar tudo isto.

Mito #02: A mineração é uma atividade altamente poluente

Outra falsa afirmação contra a mineração está relacionada ao seu alto grau de poluição, e tudo isso baseado no seu alto consumo de energia. Esta é talvez a reivindicação mais fraca contra a mineração de criptomoedas, porque se compararmos, o impacto energético e poluente de Bitcoin é de longe o menor em comparação com outras indústrias.

Por exemplo, o sistema bancário internacional, só o sistema bancário (sem contar as suas atividades relacionadas) consome quase 300 TW / h por ano de energia, 2,5 vezes mais do que Bitcoin. A contradição da situação é que são precisamente os bancos que mais atacam a mineração de criptomoedas como “um desperdício poluidor”. Infelizmente, não podemos saber a totalidade da energia utilizada pelo sistema bancário internacional, uma vez que o rastreamento de todas as suas atividades relacionadas é complexo. Por exemplo, quanta energia é gasta globalmente para derrubar árvores, processar papel-moeda, imprimir, extrair metais, criar moedas e, em seguida, transportar notas e moedas ao redor do mundo? 

No entanto, podemos oferecer-te outras informações de interesse sobre o consumo de energia e a poluição. Por exemplo, já se questionou quanto custa tirar o alumínio daquela lata de refrigerante de que tanto gosta? Ou aquele da bicicleta que usa para passeios? Bem, pode não gostar de saber que esta atividade consome 10.000 vezes mais energia e isso sem contar a transformação final do elemento. Isto sem falar dos impactos mineiros e ambientais que essa atividade tem no planeta e na região onde é realizada.

Neste ponto, uma coisa está clara: cada produto ou serviço tem a sua própria pegada energética e ambiental. Neste caso, a mineração de criptomoedas tem uma pegada significativa, mas mesmo assim, existem colossos muito maiores. Claro, nunca verá isso nas grandes notícias. É claro que, em qualquer caso, como comunidade, o nosso dever é encontrar soluções para realmente minimizar este problema.

Os 4 mitos sobre a mineração de Bitcoin e seu consumo de energiaClica para Twetar

Mito #03: A mineração de criptomoedas emite quantidades excessivas de CO2

Talvez o mito mais apocalíptico (e mais falso) criado contra a mineração. Na verdade, não é incomum ver notícias onde são feitas afirmações como “cada BTC tem uma emissão de 126 toneladas de CO2”. Já foi dito que as metas de redução das emissões de CO2 serão perdidas devido à mineração. A verdade é muito diferente, e há uma razão sólida para dizê-lo: até 73% da energia usada para minerar Bitcoin é renovável e neutra em CO2. Estes dados foram fornecidos por um relatório feito pela CoinShares en 2019, e do qual nós na Bit2Me mantemos uma cópia bem guardada.

Na verdade, esta afirmação é tão falsa que cai para a revisão mínima e aqui nós mostramos:

Se sabemos que 73% da energia usada no Bitcoin é neutra em carbono, então dos seus 130 TW/h de energia por ano, apenas 35,1 TW/h têm uma pegada de carbono. Medir essa pegada é tão simples quanto usar esta formulação criada pela AVERT nos Estados Unidos. A formulação indica que:

1,562.4 lb CO2/MWh × (4.536 × 10-4 toneladas métricas/lb) × 0.001 MWh/kWh = 7.09 × 10-4 toneladas métricas de CO2/kWh

Assim, substituindo o valor energético daqueles 24,3 TW/hr por ano de energia temos:

1.562,4 lb CO2/MWh × (4,536 × 10-4 toneladas métricas/lb) × 35.100.000 MWh/kWh = 24.875.532,86 toneladas métricas de CO2/kWh

Isto significa que cada BTC tem uma pegada de carbono de cerca de 76 toneladas de CO2: 50 toneladas a menos do que a mídia afirma. O que ainda é muito? Sim, está correto, mas a maioria das fazendas de mineração está a trabalhar ativamente para evitar isso de uma forma muito simples: criando os seus próprios suprimentos de energia renovável ou usando os existentes. Na verdade, um facto muito curioso pode ser visto nas províncias de Sichuan e Xinjiang. Estas províncias acumulam cerca de 50% do hash da mineração Bitcoin e, nelas, mais de 80% da energia disponível é renovável (hidroelétrica).

Neste sentido, a mineração de Bitcoin procura o caminho de menor emissão. E é natural, porque o custo de produzir 1 kW/h de energia a partir do carvão ou do gás é mais caro do que por hidroelétrica, eólica ou solar. Mesmo, a longo prazo, o kW/h de uma central nuclear é mais barato do que algumas das opções fósseis. Isto deixa um ponto claro: o Bitcoin não perderá os seus objetivos de redução de CO2, atrasar a chegada da eletricidade e passará para a energia nuclear.

Mito #04: Bitcoin e a sua mineração consomem energia para nada

Outra falsa alegação sobre Bitcoin e a sua mineração é que na verdade não gera nada. Baseiam esta acusação no facto de que o Bitcoin não tem valor real ou é suportado por nada. Na verdade, argumentam que a única coisa que vemos na blockchain são números aleatórios e letras sem importância. Resumindo: o trabalho de mineração não tem sentido e toda essa energia é desperdiçada.

A verdade é que a mineração de Bitcoins serve para manter a rede segura, uma confiança que no final se traduz num enorme valor para a sua moeda, porque há a confiança de que uma vez que uma transação tenha sido feita nela, não poderá ser apagada ou manipulada de forma alguma. Este último é uma confiança que o sistema bancário internacional não pode oferecer com o sistema atual.

Em contraste, algo que muitas pessoas consideram normal, na verdade é um problema sério de energia que não faz nada. Certamente, ficará surpreso ao saber que os modos “Standby” ou “Sleep” de muitos dispositivos eletrónicos atuais, na realidade, são os culpados por uma grande parcela do consumo de eletricidade em todo o mundo.

Por exemplo, uma TV no modo “Standby” consome em média cerca de 5 W/h de energia e cerca de 43,8 kW/h por ano. Se multiplicarmos esse valor por cerca de 1.800 milhões de TVs em todo o mundo, teremos um total de 78,84 TW/h de energia por ano, na verdade, gasto em nada. Isso é mais da metade do consumo da rede Bitcoin. E isso é só a ponta do icebergue. Se levarmos em conta que o desperdício médio anual de uma casa é de cerca de 500 watts/h, temos que anualmente se perdem 7.884 TW/h de energia anualmente. O que é 60 vezes mais que o consumo da rede Bitcoin. E essa é uma estimativa que não leva em conta certas facilidades da vida moderna como cafeteiras, fogões elétricos, geladeiras, ar condicionado, aquecedores, roteadores ou modems, entre outros.

A realidade do consumo de energia da mineração de Bitcoins e outras criptomoedas

Elon Musk ou qualquer grande personalidade do mundo pode dizer que o Bitcoin desperdiça energia. Mas a verdade é que, em comparação, o Bitcoin faz um uso eficiente e valioso da energia que usa. Eles podem até apontar o Bitcoin como o inferno dos ambientalistas, mas a realidade é que existem problemas de energia muito mais sérios e em escalas muito maiores do que o Bitcoin pode representar. Os meios de comunicação em todo o caso fazem como a avestruz, só tiram a cabeça do buraco quando lhes convém ou simplesmente para destruir um alvo e, neste caso, o alvo são as criptomoedas e a sua mineração.

Mas entendemos por que fazem isso. Afinal, atacar a raiz do sistema financeiro mundial, aquele sistema que dá poder económico para restringir as nossas liberdades, é algo que os assusta. Porque ver as massas livres e economicamente independentes é o seu pior pesadelo. Enquanto comunidade, só podemos defender uma coisa: continuar a minerar Bitcoin e criptomoedas. Ao mesmo tempo em que expandimos a nossa comunidade e demonstramos que mesmo com esses problemas de “consumo excessivo de energia”, as criptomoedas podem evoluir. Além disso, mostrar que “mineração” e “sustentabilidade energética” não são palavras inimigas. E, portanto, um mundo muito melhor e aberto pode ser criado seguindo este caminho.

Descubra o que é uma plataforma de mineração